Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009
Desenho Metodológico_Fases do Projecto (Cronograma)

O processo de desenvolvimento deste projecto dividiu-se em dois momentos principais. O primeiro compreendeu os meses de Setembro a Dezembro de 2009, e o segundo o período de Fevereiro de 2010 a Junho do mesmo ano.

O que distinguiu estes dois momentos foi, na prática, o formato do estudo. No início do mês de Janeiro, conforme indica o cronograma delineado (ver anexo X), fez-se chegar à Direcção Geral dos Serviços Prisionais Portugueses o pedido oficial para realização deste estudo no interior de determinados Estabelecimentos Prisionais. Assim, até essa altura, o trabalho centrou-se forçosamente na elaboração dos instrumentos de recolha de dados, nomeadamente, questionário e entrevistas. Posteriormente, e já com a autorização e abertura da DGSP, passou-se à aplicação prática desses mesmos instrumentos. O mês de Janeiro funcionou como o período de charneira entre as duas fases do processo de desenvolvimento deste projecto.

No total, o processo de investigação dividiu-se em quatro fases. A primeira, que terminou em Novembro de 2009, consistiu na “Definição e Conceptualização do Projecto”. Foi nesta fase que se avaliou a motivação para o tema, se definiram as perguntas de investigação e as palavras-chave, se identificaram obstáculos e desafios, os objectivos, e os desafios logísticos, se recolheram dados do website da DGSP, e se elaborou a escrita inicial do índice provisório do enquadramento teórico.

A segunda fase compreendeu os meses de Dezembro de 2009 e Janeiro de 2010, e consistiu na “Elaboração dos Instrumentos de Recolha de Dados”. Neste período, especificamente no mês de Dezembro, prodedeu-se às seguintes tarefas: análise dos dados recolhidos no website da DGSP; redacção de inquérito por questionário a realizar à amostra de reclusos; redacção de guião de entrevista a realizar a dirigentes e representantes das entidades oficiais envolvidas (políticos, professores/formadores, assistentes sociais, psicólogos, etc.); e, redacção de guião de entrevista a realizar à rede social de apoio (familiares e amigos) dos reclusos que compõem a amostra seleccionada. Em Janeiro de 2010, passou-se à formalização do pedido de realização do estudo junto da Direcção Geral dos Serviços Prisionais, e à criação do vídeo explicativo com o título “O que é a Internet” que servirá de introdução à aplicação do questionário aos reclusos constituintes da amostra.

A terceira fase desta investigação centrou-se em dois momentos – primeiro, na “Aplicação dos Instrumentos de Recolha de Dados”; e segundo, na “Análise e Tratamento de Dados” –, e decorreu de Fevereiro a Março de 2010. Assim, em fevereiro, realizaram-se as seguintes tarefas: entrevista a dirigentes e representantes das entidades oficiais envolvidas (políticos, professores, formadores, assistentes sociais, psicólogos, etc.); exibição do vídeo “O que é a Internet” a amostra de reclusos; inquérito por questionário a amostra de reclusos; entrevista à rede social de apoio (familiares e amigos) dos reclusos que compõem a amostra seleccionada. Imediatamente após a aplicação dos instrumentos de recolha de dados, realizou-se o tratamento e análise dos resultados obtidos.

Na quarta e última fase desta investigação realizou-se a “Redacção dos Conteúdos Finais”. Nesta, a principal tarefa realizada foi, efectivamente, a escrita, baseada em toda a recolha e análise de dados que teve lugar na terceira fase.

Estão agendadas outras duas tarefas que enriqueceriam o estudo e respectivos resultados, mas cuja realização depende da forma como decorrerá o processo quer de aplicação dos intrumentos de recolha de dados quer o tratamento e análise desses mesmo dados. Esses dois momentos são:

• Actividade de grupo com amostra de reclusos: discussão sobre os benefícios/desvantagens da inserção da Internet nos estabelecimentos prisionais portugueses; e,

• Teste/aula de formação em Internet com grupo-piloto de reclusos, precedido de questionário para avaliação das competências adquiridas e da satisfação com a aquisição de novos conhecimentos e capacidades.




© 2009
ficha técnica

tema
Liberdade Física versus Liberdade Virtual


título
Utilização da Internet nos Estabelecimentos Prisionais Portugueses. Realidade ou Utopia?


âmbito
Dissertação de Mestrado do Curso de Comunicação Multimédia, ramo Multimédia Interactivo da Universidade de Aveiro


autor
Daniela Graça
(núm. mecanográfico) 44984


orientador
professora Lídia Oliveira


ano
2009|2010

pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

posts recentes

Investigação em entrevist...

Investigação em entrevist...

Divulgação dos dados nos ...

Apresentação

Defesa

Ponto de Situação

Recolha de Dados in loco

Formalização do Pedido Of...

Imaginarius: a Culpa e o ...

Plano de Investigaçao_Apr...

últ. comentários
Sr.ª Dr.ª , por favor, já agora, e porque não ,sal...
Internet, Tv, Mini Bar e suites vip's :)
Obrigada pelo comentário.Como qualquer investigaçã...
arquivos

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

ligações úteis

DG Serviços Prisionais PT
Gerir para Inovar os SP
Pew Internet
Digital Center
IFLA
InternetSafety.com
Wavecrest Computing – Intelligent Web-use Management Tools
GearBox Computers
Advanced Technologies Group, Inc.
PageNest
Computer Crime & Intellectual Property Section
Report on the availability of bombmaking information
The Context of the Information Behavior of Prison Inmates
Council of Europe
Vocational education and training for adult prisoners and offenders in Australia: Research findings
Bloggers desde prisión
Surveillance&Society/a>
EPEA/a>