Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011
Investigação em entrevista na Antena 1 - LINK


 

(Clique na imagem. Para ouvir apenas a parte relativa a esta investigação avance para o décimo oitavo minuto.) 




Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2011
Investigação em entrevista na Antena 1 - NOVA DATA A ANUNCIAR EM BREVE





Quinta-feira, 16 de Dezembro de 2010
Divulgação dos dados nos Media

Lusa >

RTP >

TVI 24 >

Expresso >

Sol >

Visão >

Notícias Jurídicas >

Jornal da Madeira > >>

A Bola >

Diário IOL >

Diário As Beiras >

Diário Digital >

MSN Notícias >

Sapo >




Terça-feira, 14 de Dezembro de 2010
Apresentação



Quinta-feira, 9 de Dezembro de 2010
Defesa

 

Após a conclusão da investigação alusiva ao tema “Utilização da Internet nos Estabelecimentos Prisionais Portugueses. Realidade ou utopia?”, realizada no âmbito do curso de mestrado em Comunicação Multimédia da Universidade de Aveiro, convido todos os interessados a vir assistir à apresentação dos resultados obtidos que terá lugar no próximo dia 13 de Dezembro de 2010, às 11h, na sala 21.2.20 do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro.

A defesa conta com arguição externa do professor doutor António Pedro Dores, professor auxiliar com agregação do Departamento de Sociologia e do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES/ISCTE), com a presidência da mesa a cargo do professor doutor Jorge Trinidad Ferraz de Abreu, professor auxiliar do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro, e com a participação da professora doutora Lídia J. Oliveira Loureiro da Silva, professora auxiliar com agregação do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro e orientadora da investigação.

 




Sexta-feira, 1 de Outubro de 2010
Ponto de Situação

O segundo momento da terceira fase desta investigação, “Análise e Tratamento de Dados”, decorreu durante o mês de Julho e início do mês de Agosto. Desde então e até ao presente dia, está a ser elaborada a “Redacção dos Conteúdos Finais”.

Espera-se que em breve, e após a defesa da dissertação, os resultados e conclusões finais desta investigação possam ser apresentados aqui.




Recolha de Dados in loco

Com os contactos estabelecidos e as visitas agendadas, deu-se assim início ao primeiro momento da terceira fase: “Aplicação dos Instrumentos de Recolha de Dados”, que decorreu de 24 de Maio a 4 de Junho.

A primeira recolha aconteceu no EP de Leiria, e à distância pelo facto de se tratar de um EP no qual os reclusos passam a maior parte do dia nas respectivas celas. Efectivamente, foi solicitado que os questionários fossem enviados por correio tradicional de forma a serem distribuídos pelas celas, preenchidos pelos reclusos, recolhidos, e reenviados ao remetente.

A direcção do EP de Aveiro, quando informada sobre o tema da investigação em causa, pediu que a aplicação dos questionários fosse antecedida de uma pequena apresentação/formação sobre o tema “O que é a Internet?”. Para tal, foram criados e enviados cartazes, folhetos e folhas de inscrição de forma a informar a população prisional acerca da formação, e a permitir a organização prévia das sessões. A recolha de dados decorreu em três momentos, distribuídos por três dias – 24, 25 e 31 de Maio.

A recolha de dados nos EP de Coimbra decorreu presencialmente nos dias 26 e 28 de Maio com o apoio e acompanhamento dos professores/formadores e da técnica de reeducação Dr.ª Ângela Pereira. Os reclusos foram convidados a participar no estudo através do preenchimento do questionário no contexto das formações que estavam a frequentar.

No EP do Porto a recolha de dados realizou-se no dia 27 de Maio, durante todo o dia, e no contexto das aulas leccionadas na escola e nas oficinas. Quer os membros da direcção que receberam e acompanharam a investigação – Dr.ª Sofia Canário e Dr.ª Ana Costa –, quer os professores/formadores demonstraram-se sempre muito disponíveis e acessíveis e revelaram-se uma ajuda indispensável na distribuição e preenchimento dos questionários.

No EP de Tires (Lisboa) a recolha foi feita igualmente num único dia – 4 de Junho –, aproveitando a disponibilidade dos reclusos-alunos em aulas/formação. Houve acompanhamento e auxílio por parte dos professores/formadores e da Dr.ª Ana Veríssimo (Adjunta de Direcção).

A recolha de dados incluiu também Inquérito por Entrevista a técnicos, professores e formadores dos EP visitados. No decorrer dos contactos efectuados com cada Estabelecimento solicitou-se a participação de técnicos (professores, formadores, assistentes sociais, e/ou psicólogos) que tivessem interesse e disponibilidade em participar no estudo. No dia 28 de Maio, foram entrevistados presencialmente 4 técnicos e 4 professores no EP de Coimbra; e 1 membro da direcção do EP de Leiria. No dia 15 de Junho foram enviados formulários digitais a 1 professor e 2 membros da direcção do EP de Custóias (Porto), e a 3 técnicos e 1 membro da direcção do EP de Tires (Lisboa). No Estabelecimento Prisional de Leiria não foram realizadas entrevistas por não haver disponibilidade por parte dos técnicos.

Realizaram-se ainda, durante o mês de Agosto, Inquérito por Entrevista – realizadas por telefonema – à Rede Social de Apoio (familiares e amigos) dos reclusos que compõem a amostra seleccionada, e que durante o questionários disponibilizaram os contactos de membros da família ou amigos que consideraram ter interesse e disponibilidade para participar neste estudo.

 

 



Quarta-feira, 26 de Maio de 2010
Formalização do Pedido Oficial para Recolha de Dados

Segue abaixo o relatório sobre o desenvolvimento do "pedido formal de autorização para recolha de dados nos Estabelecimentos Prisionais Portugueses". Apesar de se ter extendido por quatro meses, o mais importante a reter deste processo é a resposta positiva obtida.

 

A 6 de Janeiro de 2010, procedeu-se à formalização do pedido de realização do estudo junto da Direcção Geral dos Serviços Prisionais. O pedido foi feito por correio tradicional e correio electrónico com o envio dos documentos Projecto de Investigação e Requerimento.

A resposta foi enviada pelo despacho 07/DSPRE/2010, de 28 de Janeiro de 2010, no qual nos foram solicitados vários esclarecimentos. A resposta a estes foi enviada, novamente por correio tradicional, no dia 1 de Fevereiro.

Através do despacho 30/DSPRE/2010 de 5 de Fevereiro, que nos chegou apenas no dia 12 do mesmo mês, a DGSP informava-nos de que “a exequibilidade da vossa investigação passa pelo redimensionamento da amostra de reclusos e pela definição, prévia, dos Estabelecimentos Prisionais onde pretendem vir a desenvolver a investigação.” Ou seja, que este trabalho de investigação “implica o envolvimento de um volume elevado de reclusos e alocação de espaços físicos e meios técnicos por partes dos Estabelecimentos Prisionais” e da “afectação de meios humanos de vigilância” durante a recolha de dados, e que, por isso, seria necessário seleccionarmos os EPs onde pretendemos realizar a recolha de dados de forma a estabelecer contacto desde logo com os mesmos, e redimensionar a amostra representativa da população reclusa portuguesa indicando igualmente a quantos reclusos seria necessário ter acesso em cada um dos EPs previamente indicados. Seguindo esta orientação, a resposta dada indicava três Estabelecimentos Prisionais – EP de Aveiro (Regional, Feminino e Masculino); EP de Leiria (Regional, Feminino e Masculino); EP de Tires (Especial, Feminino e Masculino) –, para a realização da recolha de dados e uma amostra bastante reduzida (400 reclusos) relativamente ao valor posposto inicialmente. 

A resposta veio pelo despacho 72/DSPRE/2010 do dia 2 de Março, que nos chegou no dia 11 do mesmo mês, e indicava que dois dos três EPs seleccionados não acolhem reclusos do género feminino e não dispõem de reclusos em número suficiente para corresponder ao valor indicado para a recolha de dados. As informações disponibilizadas no website da DGSP tem dados incorrectos o que nos levou a enviar uma resposta às solicitações da DGSP desfasada da realidade. A terceira resposta de nossa parte, enviada no dia 16 de Março, sugeria que se alargasse a lista de EPs passando esta a constituir-se por cinco — EP de Aveiro (Regional, Masculino), EP de Coimbra (Central, Masculino), EP de Leiria (Regional, Masculino), EP do Porto (Central, Masculino), EP de Tires (Especial, Feminino e Masculino).

A contra-resposta por parte da DGSP, que chegou no dia 26 de Março pelo despacho 106/DSPRE/2010 do dia 19 de Março, indicava que o EP de Aveiro tinha sido contactado no sentido de se perceber se poderia receber o teste que consistia na formação do grupo-piloto de reclusos. Com o tempo a passar e a dificuldade em “entrar” no sistema prisional português de forma a recolher os dados imprescindíveis à relevância da investigação, decidiu-se que, se necessário fosse, se abdicaria das recolhas que figuravam como as de maior dificuldade de realização, tal como a formação do grupo-piloto. Efectivamente, os dados dos quais não se poderia abdicar eram os  que seriam obtidos pela aplicação do inquérito por questionário à amostra representativa da população reclusa portuguesa. Esta decisão foi comunicada à DGSP na quarta resposta enviada de nossa parte.

Resultado desta cedência ou não, o despacho da DGSP do dia 29 de Abril, recebido no dia 5 de Maio, dava, finalmente, autorização para a realização do estudo no contexto do Sistema Prisional Português, ou seja, que poderíamos proceder à aplicação do inquérito por questionário e à realização de entrevistas a técnicos de educação e de formação. Ainda neste despacho eram indicadas algumas condições inerentes à realização da investigação e ao respeito pelas regras do Sistema Prisional Português. Nomeadamente, o respeito pela disponibilidade de recursos humanos e pela organização logística dos EPs envolvidos, a aceitação de uma nova distribuição por EP dos reclusos inquiridos, a garantia do anonimato e dos dados das pessoas que colaborassem no estudo, e a disponibilização de cópia do trabalho final à Direcção de Serviços de Planeamento e Relações Externas e aos EPs envolvidos.

O passo seguinte consistiu na interacção com os cinco EPs seleccionados. Dirigiu-se a cada um dos Directores dos EPs, com o documento de autorização da DGSP, uma carta informativa e de solicitação de autorização de recolha de dados no seio do EP respectivo. Fizeram-se, também, telefonemas com o objectivo de agilizar esta fase final de obtenção das autorizações oficiais.

As respostas de todos os EPs envolvidos foram positivas, sendo que cada um apresentou proposta de interacção para a recolha de dados com características específicas.

(Continua em breve.)

 




© 2009
ficha técnica

tema
Liberdade Física versus Liberdade Virtual


título
Utilização da Internet nos Estabelecimentos Prisionais Portugueses. Realidade ou Utopia?


âmbito
Dissertação de Mestrado do Curso de Comunicação Multimédia, ramo Multimédia Interactivo da Universidade de Aveiro


autor
Daniela Graça
(núm. mecanográfico) 44984


orientador
professora Lídia Oliveira


ano
2009|2010

pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

posts recentes

Investigação em entrevist...

Investigação em entrevist...

Divulgação dos dados nos ...

Apresentação

Defesa

Ponto de Situação

Recolha de Dados in loco

Formalização do Pedido Of...

Imaginarius: a Culpa e o ...

Plano de Investigaçao_Apr...

últ. comentários
Sr.ª Dr.ª , por favor, já agora, e porque não ,sal...
Internet, Tv, Mini Bar e suites vip's :)
Obrigada pelo comentário.Como qualquer investigaçã...
arquivos

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

ligações úteis

DG Serviços Prisionais PT
Gerir para Inovar os SP
Pew Internet
Digital Center
IFLA
InternetSafety.com
Wavecrest Computing – Intelligent Web-use Management Tools
GearBox Computers
Advanced Technologies Group, Inc.
PageNest
Computer Crime & Intellectual Property Section
Report on the availability of bombmaking information
The Context of the Information Behavior of Prison Inmates
Council of Europe
Vocational education and training for adult prisoners and offenders in Australia: Research findings
Bloggers desde prisión
Surveillance&Society/a>
EPEA/a>